entrevista Cesar Gananian: FASHION FILM


ENTREVISTA FEITA PARA O SITE MODA E CINEMA

1- O que te motivou a fazer cinema? Teve alguma influência ou era apenas cinefilía mesmo?

Cesar – Sempre gostei de desenhar e durante toda minha infância era no papel que eu criava mundos, personagens , cores. Um dia, durante minha adolescência ,chegou em casa uma câmera VHS . Assim, abandonei o lápis e comecei a depositar toda a minha energia filmando curtas com meu irmão – o cineasta Gregorio Gananian – utilizando todas as roupas e brinquedos que tínhamos.

E assim como Mélies, o que mais nos fascinava nessas produções era a trucagem cinematográfica. A ilusão. Tanto que o nosso primeiro filme se chamou “O Mágico” .

2- Para você, qual a importância do figurino na produção e contexto dos filmes?

Cesar – Quando se constrói um filme, todos os elementos que o espectador vê e ouve são fundamentais. O cinema é a arte das aparências . O figurino é a forma e a cor do único elemento que tem vida na tela: o personagem.
Muitos atores só conseguem encontrar o personagem depois de estarem produzidos, mascarados.
Vemos na historia do cinema uma multidão de personagens que se transformaram em ícones por estarem ligados diretamente a seus figurinos.
Na composição do quadro o figurino destaca ou esconde . Na construção de uma narrativa , o figurino pode trazer o tom e até a melodia de uma cena.
Por isso acho que se o figurino de um filme se prender demais ao naturalismo , muitas ideias terão que ser desperdiçadas .

3- Você costuma dar muito palpite na hora de escolher o figurino ou confia na produção dos figurinistas?

Cesar – Sempre confio em quem trabalha comigo. O que tento é trazer conceitos , revelar o que busco com o filme . Fazer com que toda a equipe visualize o mesmo filme.

E a partir dai, ser surpreendido com a ideia de cada um que está trabalhando no filme. Tive a sorte de trabalhar com figurinistas geniais como Ana Lisboa, Alice Ursini , Maite Chasserraux e Mariana Degani.

4- Como surgiu a idéia de fazer vídeos conceituais de moda?

Cesar – Foi com a Ana Lisboa, minha namorada e estilista. Fiz dois vídeos conceituais de coleções dela : Sonho e Chroma.
Fazer os vídeos de certa forma foi fácil, porque a Ana sempre teve uma forte influencia do cinema em seu processo criativo. Então tudo funcionava muito bem quando eu ligava a câmera.
No momento estou expandido o campo e finalizando um video conceitual de design de jóias . Estou muito satisfeito com resultado. Logo vamos lançar na internet.

5- O que esses trabalhos têm acrescentado na sua carreira como cineasta?

Cesar – O trabalho de video conceitual de moda impõe a experimentação, diferente de filmes publicitários que não podem arriscar pois precisam ficar no lugar comum para terem uma aceitação rápida e prática.
Na internet o filme publicitário não tem a mesma força que na televisão. Os internautas buscam nos labirintos virtuais algo que lhes surpreenda e a moda, tem como principio inovar e é isso que me acrescenta em meu desenvolvimento como cineasta. O importante é buscar coleções que tenham conceito, estudo por trás. É isso que faz os vídeos funcionarem.

6- Você acredita que a presença de um forte estilista como Tom Ford na indústria cinematográfica motivará outros a seguir o mesmo caminho?
Cesar – Acredito que cada vez mais teremos mais estilistas cineastas, atores desenhistas , cantores designers… A criação é multimidia. Todas as linguagens estão se encontrando e se fundindo. E isso só acrescenta a cultura da humanidade.

7- Quais são seus futuros projetos?
Cesar:
1-Estou escrevendo meu primeiro longa-metragem. O que posso dizer por enquanto é que será uma alucinante viajem plástica e improvável.

2- Produzir mais videos conceituais de moda e design. Sempre buscando trabalhar com estilistas legais e ousados.

3-Continuar escrevendo meu blog .

4-Estudar, ler, ver e ouvir.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *